Categorias
Gráfico

“O Designer Faz”, explicando a profissão do Designer Gráfico

Ano passado, felizmente, recebi o título de Bacharel em Design Gráfico pela UEMG, ou seja, me formei. Ao definirmos a proposta do convite e detalhes da colação de grau/baile, pensamos diretamente no público. Sabemos que muitos familiares ainda não compreendem “o que fazemos como profissionais, e até  mesmo, durante o nosso curso”. Com isso,  tivemos a idéia de elaborar um vídeo explicando a profissão.

O que nos permitiu pensar em um vídeo (motion graphics) foram os talentos presentes em nossa turma como Flávio Moura, Matheus Moura e Bruno Malaco, responsáveis pelo o vídeo acima. Nosso objetivo foi demonstrar o que podemos fazer após 4 anos de faculdade.

Categorias
Gráfico Produto

Concurso de design de medalha

 

 

 

 

 

 

Concurso de Medalha para o primeiro Jogos Olímpicos de Inverno da Juventude.

Como se o prestígio de ser uma parte da história olímpica não for suficiente, o vencedor também receberá:
Uma viagem VIP para duas pessoas para o Inverno 2012 Innsbruck Jogos Olímpicos da Juventude, incluindo voos, alojamento em hotel e entrada para a Cerimônia de Abertura e competições.
Uma réplica da Juventude de Inverno de ganhar medalhas olímpicas dos Jogos.
A promoção será feita em torno do projeto vencedor dando reconhecimento para o designer e seu trabalho em conexão com o Juventude de Inverno primeira edição dos Jogos Olímpicos.
As inscrições serão aceitas até a meia noite de 29 de abril de 2011. Para cada entrada, jpegs são necessários , apresentar o projeto em Ouro, Prata e versões medalha de Bronze. Os participantes poderão também colocar os vídeos em páginas da rede social (como o Facebook, YouTube e Webo) páginas de apoio a seus projetos. Aqui está o link para o concurso de design da medalha, onde um conjunto de ferramentas e todos os detalhes sobre o concurso podem ser encontradas:
www.medaldesigncompetition.com
A partir de 2 maio – 30 junho, todas as entradas que cumpram com as diretrizes do concurso será publicado no www.medaldesigncompetition .com onde o público poderá votar nos seus favoritos. Um júri do COI irá escolher um vencedor entre os 10 projetos mais populares.

Maiores informações:

http://www.medaldesigncompetition.com/Contents/En/Default.aspx

Categorias
Gráfico

Aluguel de programas da Adobe. Uma solução pra pirataria?

É isso mesmo que você ouviu: agora é possível alugar os programas da Adobe ou ainda pagar pra usar apenas por um mês, sem ter que desembolsar tudo de uma só vez.

Hoje, se você quiser comprar o pacote básico da Adobe (Photoshop, Illustrator, InDesign e Acrobat), tem que desembolsar uns R$ 4.300 reais, de uma vez só. Com o novo sistema de aluguel por assinatura, você pode pagar um pouco mais de R$ 200 por mês e ter o direito de usar OS TRES PROGRAMAS, completamente legalizado, sem preocupações. Repito, os R$ 200 (aproximadamente) referem-se ao direito de usar Photoshop, Illustrator, InDesign e Acrobat. Mas preste atenção: essa modalidade de assinatura te obriga a assinar por pelo menos 12 meses, por esse valor.

Categorias
Ambientes Gráfico Moda Produto Visual

7º R Design ES/RJ

A sétima edição do Encontro Regional de Estudantes de Design ES/RJ acontecerá entre os dias 21 e 24 de Abril, na cidade de Vitória, no Espírito Santo. O R Design , um evento anual e itinerante, reúne alunos, professores, profissionais e pesquisadores da área com finalidade de motivar a troca de idéias e experiências, através de palestras, mesas-redondas, oficinas, workshops e apresentações de trabalho.

A idealização de um R Design na cidade de Vitória começou em Abril de 2010, durante o R Design Carioca, quanto alguns estudantes capixabas se mobilizaram em prol da realização de um encontro regional aqui na ilha, o que não acontecia desde o R Vitória 2006 “Ecos do sistema”.

 

Formulário de inscrição
Programação

Categorias
Gráfico

Inversão Pura: criação da fonte de xilogravura nokia pure

A Nokia acaba de lançar sua nova fonte, “nokia pure“, projetado pela Dalton Maag. A fonte virá em três pesos: leve, regular e em negrito.

Categorias
Embalagem Gráfico

Casa Rex procura estagiário de design gráfico

Estamos em busca de estudante de Design Gráfico que tenha interesse em desenvolver projetos de embalagem para marcas de consumo globais.
Pré-requisitos:

  • Cursando 2o ou 3o ano do curso de design gráfico.
  • Interesse em design de embalagens/ marcas de consumo
  • Conhecimentos básicos de Photoshop e Illustrator
  • Inglês básico

Processo seletivo:

Envie seu CV com link para portfólio, acompanhado de um texto curto (10-20 linhas) explicando, na sua visão, qual é o papel do designer gráfico hoje.[email protected]

*Atenção: candidatos que enviarem CVs sem o texto serão automaticamente desclassificados do processo. E-mails maiores do que 5MB ou que forem enviados para qualquer outro email que não este, tampouco serão considerados.

 

Categorias
Gráfico Produto Visual

Terça do Riso no Paraíso de Marcas e Patentes

Preciso compartilhar com vocês o dia da risada! Todas as terças no início da manhã ou logo depois do almoço entro no site do INPI e vejo a RPI (revista de propriedade industrial) para verificar o status de alguma marca de minha propriedade, as de clientes e obviamente para aproveitar e rir um bocado. Mas além das risadas vou compartilhar com vocês alguns processos do INPI e desmistificar algumas coisas…

Primeiro, como gosto de polêmica vou começar nela. Vejo que boa parte do designers (gráficos e de produto) se esquecem que existe propriedade intelectual, seja  quando estão na fase criativa (e pergunto porque) ou na validação e seleção de idéias! O que gera uma enorme confusão e discussão que permeia a Academia e o setor Privado: roubo de idéias, como proteger, como apresentar sem ser copiado e por aí vai. Polêmica tipo “O que é Design” e ” Reconhecimento da Profissão”. Poxa, basta ler uns livros e isso é problema resolvido. Ninguém discute CAD x Régua T, problema superado, vamos para a frente! Resumindo: proteção é no INPI e órgãos similares em outros países. Nada de cartinha registrada enviada para a vovó!

Agora a segunda parte engraçada: tem cada MARCA registrada lá. Tem cada MARCA depositada lá. Valem as risadas! Sucessão de mal gosto, cópia, criatividade-libertina, populismo gráfico e por aí vai. Nem lhes digo! É preciso ver para crer! Vale a visita! Mas não fica no campo estético o problema. Vale ainda o aprendizado de tecnologia cronológica: É tanto efeito de Corel e Ilustrator, fora os mais avançados do popular “Fotoshopi” que dá para ver qual versão de software os criadores usam! E para os que adoram jogar pedra nos micreiros, mas também têm feito coisas feias, ficam os aprendizados de modismos: vários quadrinhos ao redor de imagens, coisas fofinhas, bichinhos e tudo que é meio Twitter etc e tal. Isso me lembra idos de 1990 quando todas marcas tinham de ter uma elipse para remeter aos substantivos de conexão  e globalização (Internet Explorer bom bando no aaaaaaaauge).

Agora as dicas menos fúnebres: caros, ao inventar um nome, uma coisa, um objeto, entrem no INPI e ainda procurem no Google, Big, (…)  e até no Registro.BR por coisas similares. O ser humano pensa de modo parecido, fora os picos de criatividade, portanto, todos vamos passar por ideias parecidas, imagens parecidas, insights e tal.

O meu problema em questão foi dar nome a um blog de vinhos. Me deparei com um nome que cabe, Bebideria Tragos & Causos, e fui atrás do Registro.BR e INPI. Fora isso, verifiquei no Google se alguém usava esse nome em algum blog ou coisa e tal. Dito e feito, consegui um nome “novo” e efetuei todo o registro no INPI e Registro.BR. Depois do processo do INPI todas as terças durante 60 dias verifico se existe alguma oposição, algo que não ocorreu. Portanto, em algumas poucas semanas tenho o registro definitivo!

Riam um pouco, amanhã é dia de visita ao parque de diversões!

E espero em algumas semanas poder abrir para votação a identidade visual da Bebideria, vou colocar na mão de vocês a decisão!

Categorias
Gráfico

The Union reúne grandes nomes da computação gráfica em SP

Grandes nomes da computação gráfica de games, artes e cinema irão se reunir hoje, terça-feira (15), em São Paulo, para um evento destino a estudantes, profissionais e admiradores do gênero. Trata-se do The Union, que acontece pela primeira vez no Brasil.  O evento começou as 8h e será um dia inteiro de palestras e mesas de discussão. Começará com Fausto De Martini, modelador na Blizzard Entertainment, que trabalhou na produção de grandes títulos dos videogames, como “World of Warcraft“, “Starcraft 2 ” e “Diablo 3 “. Já Seth Hall, que irá abordar o impacto dos efeitos visuais nos games, trabalhou na franquia “Dead space“.

À tarde há encontros com responsáveis por filmes com os efeitos especiais mais irados dos últimos anos. Neville Page, por exemplo, desenhou os figurinos de “Tron“, além de ter sido ilustrador e concept designer de blockbusters como “Minority report“, os dois primeiros “X-men“, “Avatar” e “O incrível Hulk“.

Neil Huxley, que fecha a noite, irá falar da direção de arte de seus três principais trabalhos em animação gráfica: “Watchmen“, “Gamer” e “Avatar“.

A agenda completa pode ser consultada no site www.theunion.com.br.

O evento está rolando no prédio do WTC (Avenida das Nações Unidas, 12551, Itaim Bibi). Tem taxa de inscrição de R$ 750.

via: globo

Categorias
Gráfico

Como gerir marcas inovadoras?

Wolff Olins, uma das mais admiradas agências de branding do mundo, estará no Brasil para a abcDesign Conference, dia 11 de maio, para falar sobre como aliar estratégia, inovação, engajamento e comunicação de forma eficaz na gestão de marcas.

Inovar quando o assunto é marcas é a especialidade da agência Wolff Olins. Baseada em quatro alicerces – estratégia, inovação, engajamento e comunicação – a agência tem sido responsável por criar e reposicionar algumas das marcas com melhor desempenho e visibilidade dos últimos tempos, como Unilever, Tate Modern, Oi, Vivo, AOL., e Olimpíadas de 2012.

Dia 11 de maio, na abcDesign Conference, criativos brasileiros poderão conhecer com mais detalhes como a Wolff Olins cria, desenvolve e gere esses projetos que vêm obtendo resultados como lucratividade em apenas três meses, dois milhões de clientes no primeiro mês de vida da marca e inserção de cultura criativa dentro de uma organização.

Marina Willer, diretora geral de criação, e Karl Heiselman, CEO da Wolff Olins, serão os representantes da agência no evento que é realizado anualmente pela revista abcDesign e, em 2011, tem parceria com a ESPM.

Heiselman vai explicar o modelo de negócios da Wolff Olins e o relacionamento com os clientes, enquanto Willer vai compartilhar detalhes da criação dos projetos em que participou, como Tate Modern, (RED), Oi, Ambev e Anistia Internacional.

No site do http://abcdesign.com.br/conference/ estão disponíveis a descrição de alguns dos cases da Wolff Olins em português.

Marina Willer

Willer é brasileira, mas mora em Londres desde 1998. Logo depois da pós-graduação em Design Gráfico na Royal College of Arts, a mais conceituada universidade britânica na área, ela foi convidada a fazer parte da Wolff Olins, onde cresceu até chegar ao posto de diretora de criação de toda a sede londrina.

A designer também tem uma carreira paralela como diretora de curtas. Seu foco são trabalhos de cunho pessoal e poético, como os trabalhos experimentais veiculados na MTV Europa, filmes artísticos para museus como George Pompidou, e documentários, como “Cartaz à mãe” sobre o cartunista Henfil feito junto com o diretor Fernando Kinas.

 

 

 

 

Karl Heiselman

Heiselman é CEO da Wolff Olins desde 2007. Antes disso, teve um papel central nos trabalhos desenvolvidos para clientes como GE, Unicef, PepsiCo, Citibank, etc., competência conseguida em seus 20 anos de experiência em branding e design experience.

Antes de se unir à agência na sede de Nova York, foi consultor criativo para a Landor
Associates, diretor de design na Apple e diretor de criação na Swatch em Nova York e Milão.

Heiselman é conhecido como sendo a força por trás da crença da Wolff Olins de que marcas responsáveis podem criar um mundo melhor.

 

 

Serviço
O quê: abcDesign Conference Wolff Olins
Palestrantes: Marina Willer (diretora de criação) e Karl Heiselman (CEO)
Quando: 11 de maio de 2011, a partir das 08h
Onde: ESPM – São Paulo (Rua Dr. Álvaro Alvim, 123 – Vila Mariana)
Quanto: preço em março (R$ 310,00 não assinantes, R$ 250,00 assinantes).

Wolff Olins

A Wolff Olins foi fundada em Camdem Town, em Londres, no ano de 1965 por Michael Wolff e Wally Olins, cuja reputação de inovar nos conceitos de identidade visual começou cedo. Seus trabalhos chegavam a ser recebidos com certo ceticismo, mas a agência ganhou visibilidade por conta da consistência e eficiência dos resultados.

Hoje, a Wolff Olins possui em seu portfólio projetos que viraram referência no mundo corporativo. Apple Records (gravadora dos Beatles), Camden Town, Renault Orange, Tesco, Oi, Unilever, New Museum e mais recentemente Olimpíadas de 2012 e AOL são alguns dos clientes que não passaram despercebidos depois de contratarem o escritório.

Nestes 40 anos de história, a Wolff Olins teve sedes em diversos países, França, Estados Unidos, Espanha e Portugal, ficando estabelecida atualmente apenas em Londres, Nova York e Dubai. Mesmo com a saída dos sócios originais (Michael Wolff, em 1983, e Wally Olins, em 2001), a agência seguiu consistentemente aplicando e evoluindo a metodologia que a tornou uma das principais consultorias em branding do mundo.

A essência do trabalho da Wolff Olins está em desenvolver projetos que criem novos negócios, experiências, relacionamentos e desafios que provoquem e reinventem as organizações, sempre visando o crescimento e fortalecimento dessas marcas. Seus alicerces são a estratégia para gerenciar; inovação para criar experiências únicas; melhor desempenho e engajamento interno por meio da transformação; e comunicação para moldar a presença da marca no mercado.

abcDesign

A revista abcDesign nasceu em 2001, a partir da vontade de se criar um meio de informação que abordasse a história e os valores do design, bem como refletir sobre a prática, a teoria da atividade e sua importância cultural para a sociedade.

Quase 10 anos depois, a aposta não poderia ter sido mais acertada. O mercado só tem crescido, o número de profissionais aumentado e a demanda por meios que ajudem a fomentar os profissionais segue cada vez mais alta.

Editada trimestralmente e com abrangência nacional, a revista está sempre a evoluir. Sua última grande investida foi a abcDesign Conference, um evento anual que tem como principal objetivo debater a criatividade e a gestão do design.

Categorias
Arte Gráfico

Trailer – Ponyo à Beira Mar [HQ] ( Legendado )

Certa manhã, quando brincava na praia, o pequeno Sosuke encontra um peixe vermelho preso num frasco de doce. Sosuke liberta o peixinho do frasco, a quem dá o nome de Ponyo, e promete protegê-lo para sempre. Mas o pai de Ponyo, um feiticeiro que vive no fundo do mar, força o pequeno peixe a regressar às profundezas. Decidida a tornar-se humana, Ponyo foge para reencontrar Sosuke e espalha acidentalmente uma poção mágica pelo oceano, transformando as suas irmãs em ondas gigantes que ameaçam inundar a aldeia de Sosuke.

O amor e a responsabilidade, o oceano e a vida, num mundo fantástico onde a magia também faz parte das coisas naturais do dia-a-dia. A história de Ponyo à Beira-Mar, baseada no conto A Pequena Sereia de Hans Christian Andersen, é apresentada sob o ponto de vista do grande mestre do cinema de animação: Hayao Miyazaki.

Com os acontecimentos de tsunami e tremores no japão, a vida imita a arte mais uma vez.

Categorias
Embalagem Gráfico Produto

Coca-Cola Quadrada

Muito bacana o projeto do estudante de design Andrew Kim. Ele reparou que as garrafas tradicionais ocupavam muito espaço quando transportadas. Com o novo formato caberiam 3.949 garrafas a mais do que hoje em dia. Além disso, sua embalagem tem uma forma que permite compactá-la 66% de seu tamanho original.

Fonte:

http://www.hypeness.com.br/2011/03/coca-cola-quadrada/

 

 

 

 

 

 

 

Categorias
Ambientes Gráfico Moda Produto Visual

Veja o que pode levar de graça quando exerce uma atividade no NDesign

“Bora pro N?”
“To meio sem grana cara…”

Diálogos como o citado acima são muito comuns entre estudantes que pretendem ir ao 21 N Design, o Encontro Nacional de Estudantes de Design a ser realizado entre os dias 24 e 31 de julho de 2011 na PUC do Rio de Janeiro. Tendo isso em vista, a CONDe Carioca, que organizará o evento em 2011, sentiu necessidade de informar a todos que pretendem ir ao N Rio que eles podem obter descontos e até ir de graça.

Foi gerado este infográfico onde aparecem todos os Editais, atividades ministradas pelos encontristas, e os respectivos descontos dados a eles por contribuir com o evento.
É interessante ver como graficamente foram expostas estas isenções, podendo ser pacotes de inscrição, alojamento, comida e festas.

A idéia é fomentar o maior número possível de inscrições, para enriquecer a diversidade do evento. Inseridas no gráfico, estão algumas frases onde você pode tentar se achar e pelo seu perfil ver qual a atividade mais adequada para você ministrar no N Design.

Lembrando que algumas das inscrições em Editais do N Design Rio já encerram dia 12 de março, corram!

Baixe AQUI esta imagem

Corra para inscrever sua atividade.
Inscreva-se AQUI

Categorias
Ambientes Gráfico Produto Visual

Carta aberta ao Senado Federal sobre Regulamentação do Design

 

 

 

 

 

 

 

 

Excelentíssimos Senadores e Senadoras da República Federativa do Brasil.

.

Venho através desta mensagem solicitar a sua atenção para a regulamentação da minha profissão: Design de Interiores/Ambientes.

Tenho visto com tristeza profissões sendo regulamentadas enquanto a minha parece ser desprezada pelo Congresso Nacional ou não sendo devidamente considerada diante de sua técnica, complexidade e seriedade.

Segundo a Lei, devem ser regulamentadas as profissões que coloquem o usuário (outrém) em risco por causa das ações de seus respectivos profissionais. No entanto tenho visto profissões como palhaços, astrólogos, DeeJays, peão de rodeio, entre outras, sendo regulamentadas desconsiderando o que a Lei determina: risco ao usuário e não ao profissional.

Medicina, engenharia, arquitetura e outras mais são profissões que foram regulamentadas exatamente por isso: colocam o usuário em risco.

Com tristeza percebo que muitos parlamentares confundem Design com Artesanato. E também confundem Design de Interiores/Ambientes com Decoração. Creio que tal confusão ocorra pela desinformação afinal é difícil encontrar tempo suficiente para estar a par de tudo de forma correta.

Gostaria então de auxilia-los corretamente na distinção destas áreas:

O Decorador é aquele profissional formado (ou não) naqueles antigos cursos de finais de semana ou de curtíssima duração (antigos do SENAC, por exemplo). Sua função é a escolha de acessórios como vasos, toalhas, almofadas e afins. Na realidade o seu trabalho acontece depois de tod o trabalho de engenheiros, arquitetos e designers ou seja, após a obra estar finalizada. Ele não está apto a especificar trocas de pisos, lidar com gesso e outros elementos que não são estruturais, mas fazem parte da estrutura ou podem vir a afetar a mesma. Sua atuação restringe-se ao espaço interno de uma edificação.

O Designer de Interiores/Ambientes, além de incorporar as atribuições do Decorador limitadas ao final do projeto, tem por competência profissional elaborar o espaço coerentemente, seguindo normas técnicas de ergonomia, acústica, térmico e luminotécnica além de ser um profissional capaz de captar as reais necessidades, explícitas ou não, dos clientes e concretizá-las através de projetos específicos. A reconstrução do espaço a ser habitado ou utilizado comercialmente através da releitura do layout, da ampliação ou redução de espaços, dos efeitos cênicos e aplicações de novidades tecnológicas, do desenvolvimento de peças exclusivas de mobiliários e acessórios entre outras tantas atribuições deste profissional. A formação acadêmica deste profissional lhe permite atuar fora dos limites internos de uma edificação podendo atuar em paisagismo e iluminação de áreas externas, concepção de praças, clubes e parques. No entanto, sua atuação nas áreas que afetem elementos estruturais, mantém-se, por segurança técnica e respeito à legislação vigente, sob a supervisão/acompanhamento de um engenheiro estrutural e/ou arquiteto.

Tais atribuições do Designer de Interiores/Ambientes constituem um fato inequívoco – mesmo que estas ainda não tenham sido regulamentadas – pois o mesmo teve em sua formação superior conteúdos curriculares suficientes que o  habilitam em conhecimentos técnico-operacionais específicos para desenvolver tais projetos. Segundo a Constituição Federal este é o principal requisito necessário para o exercício profissional.

Para que os senhores e senhoras tenham a exata noção da formação do Designer de Interiores/Ambientes, baseado nas matrizes curriculares e ementários dos cursos de nível superior oferecidos aqui no Brasil, estas são as possíveis áreas de atuação profissional do Designer de Interiores/Ambientes:

Design e decoração de Interiores:
Residencial
Comercial
Corporativo
Espaços Públicos
Eventos
Estandes (concepção e ambientação)
Show-Room
Feiras
Vitrinismo
SET Design (TV, Editoriais e Desfiles de Moda, Cenografia para Teatro)
Acompanhamento de obra

Iluminação:
Residencial
Comercial
Corporativa
Paisagística
Acompanhamento de obra

Design:
Desenvolvimento de Mobiliário
Desenvolvimento de Luminárias
Desenvolvimento de Acessórios
Comunicação Visual (concepção)
Manuais técnicos

Educacional:
Aulas
Palestras
Cursos
Seminários
Treinamentos
Desenvolvimento de material didático
Pesquisa

Porém muitas destas atribuições vem sendo tolhidas ou coibidas através de denúncias a conselhos federais de outras profissões correlatas baseadas em argumentos que demonstram claramente o desconhecimento da formação acadêmica do profissional de Design de Interiores/Ambientes, atentando contra o que prega o que prega a CF, art. 5.º, inciso XIII – “é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer;”.

Formação acadêmica sufuciente para o pleno exercício profissional nós temos, somente nos falta o reconhecimento Legal através da regulamentação de nossa profissão.

Esta área profissional deve ser regulamentada à parte, respeitando sua identidade própria, de forma específica, pois ela mescla elementos do Design (Desenho Industrial) e da Arquitetura não cabendo então, uma regulamentação conjunta com qualquer destas duas áreas sob risco de perda da autonomia profissional. São áreas correlatas e complementares que se sobrepõem em alguns pontos e se distanciam em outros aspectos. Por isso a necessidade da regulamentação específica e em separado.

Sobre os riscos – que a Lei exige para qualquer processo de regulamentação profissional – posso citar alguns exemplos para que V.Excia compreenda a importância específica ao Designer de Interiores/Ambientes , no que tange às suas competências:

1 – SITUAÇÃO: uma residência onde há idosos: o profissional não considera as limitações naturais dos idosos e especifica um piso de porcelanato polido, liso, incluindo nos banheiros e outras áreas úmidas. Também não especifica as barras de segurança dentro do box de banho. Faz um projeto de iluminação onde a luz não é suficiente para atender às necessidades visuais do idoso e também projeta armários altos dificultando o acesso. RISCOS: quedas com fraturas de leves a gravíssimas e até risco de morte.

2 – SITUAÇÃO: uma residência onde há crianças: o profissional não considera este aspecto altamente relevante e especifica móveis com quinas secas (90°), piso liso, móveis ou tampos de vidros, projeta ou especifica mobiliário (estantes e armários) que facilitem a escalada, entre outros itens. RISCOS: quedas, lesões de leves a gravíssimas incluindo o risco de morte.

3 – SITUAÇÃO: uma loja onde há as exigências técnicas e estruturais do local (ex: shoppings e lojas de rua): o profissional não considera nem estas exigências e também despreza as normas da ABNT sobre estruturas e segurança. RISCOS: incêndios, desmoronamento de estruturas por sobrecarga, ferimentos em usuários, etc.

4 – SITUAÇÃO: alterações estruturais: o Designer de Interiores/Ambientes, apesar de possuir conhecimentos suficientes para ler e analisar uma planta arquitetônica/estrutural para conseguir propor soluções visando a melhoria dos ambientes, não tem uma sólida formação em estruturas como ocorre com os engenheiros e arquitetos. Esta prática, portanto, não é de competência do Designer de Interiores/Ambientes e convencionalmente proibida. A regulamentação do Designer de Interiores/Ambientes permite que se estabeleça as devidas competências impedindo que estas sejam ultrapassadas. Para realizar as alterações estruturais o Designer de Interiores/Ambientes deve trabalhar em parceria com engenheiros ou arquitetos que, por competência, são os responsáveis por esta parte na obra. No entanto, alguns profissionais da área de Interiores/Ambientes, não considerando os limites de suas competências profissionais (aproveitando-se da ausência da regulamentação), determinam que os pedreiros derrubem paredes e abram vãos sem o acompanhamento dos profissionais adequados. RISCOS: desabamento de partes da estrutura ou toda ela colocando os usuários em riscos até mesmo de morte.

5 – SITUAÇÃO: projeto de mobiliário: o profissional “desenha” a forma de uma cadeira e simplesmente “larga nas mãos” de algum marceneiro para execução sem atentar para questões como resistência dos materiais, segurança, normas técnicas, insumos, qualidade, etc. RISCOS: esta cadeira que o senhor ou a senhora encontra-se sentado neste momento pode ceder provocando graves ferimentos através das lascas e ferragens que ficam expostas. E isso pode acontecer com qualquer mobiliário.

6 – SITUAÇÃO: mercado de trabalho: temos percebido uma desvalorização do profissional de Design de Interiores/Ambientes por esta profissão não ser regulamentada. Esta desvalorização – e por vezes desrespeito – finca-se na questão da responsabilidade técnica sobre os projetos executados especialmente. A responsabilidade técnica é o equivalente às ARTs que os engenheiros e arquitetos são obrigados a assinar junto ao CREA. Por este documento,  no caso de haver qualquer problema futuro, a justiça irá encontrar e punir os responsáveis. Como ainda não temos um Conselho Federal que normatize e fiscalize a profissão, elaboramos contratos com cláusulas específicas sobre este assunto discriminando claramente até onde vai a nossa responsabilidade sobre o projeto. Isso torna o documento extenso demais. Ressalta-se ainda que os clientes ao perceberem que não temos um órgão fiscalizador acabam optando por arquitetos ou tentam nos obrigar a inserir responsabilidades para as quais não fomos formados e nem temos interesse em atuar profissionalmente. Sem contar que qualquer problema futuro o transtorno é bem maior para ambos os lados pois tudo deve correr dentro da justiça comum, bastante onerosa e demorada. Porém esta prática de acrescentar no contrato tais cláusulas não é uma prática de todos os profissionais. Na verdade são poucos os que agem eticamente nesse sentido.

7 – SITUAÇÃO: eventos: o profissional projeta a ambientação de um evento desconsiderando questões como acessibilidade, circulação e áreas livres de barreiras, segurança e rotas de fuga, mistura e proximidade de materiais e equipamentos, informação visual. RISCOS: incêndios, pânico na fuga, dificuldades de acesso/saída, quedas, atropelamentos, pisoteamentos, etc.

Vale salientar também que por não ser uma profissão regulamentada, somos impedidos de realizar vários projetos em outros segmentos como por exemplo:

– Não existem concursos específicos para a área – uma perda considerável tanto para os profissionais quanto para os órgãos públicos e sociedade;

– Não podemos lecionar nas IES públicas – pois, por um lado, a maioria das IES não considera ainda estes profissionais aptos por mero desconhecimento real sobre a profissão e, por outro lado, não se reconhece um estatuto epistemológico do Design de Interiores/Ambientes necessário para se implementar cursos de pós-graduação stricto sensu, necessários para a produção de conhecimento na área e  habilitação docente para o ensino superior;

– A grande maioria das mostras de decoração exige o registro profissional no respectivo conselho federal o que nos impede de participar e mostrar as competências e habilidades desta profissão;

– A maioria dos shoppings exigem o registro no CREA por causa das ARTs (responsabilidade técnica) o que nos faz perder clientes importantes.

– A mídia não valoriza e nem respeita esta área profissional e acaba sempre colocando profissionais de outras áreas para falar sobre Design de Interiores/Ambientes;

– Ainda não somos reconhecidos como pesquisadores/pensadores o que gera uma desacreditação sobre a área e sua produção acadêmica;

– As bolsas para iniciação científica não contemplam ou facilitam o ingresso de projetos nesta área mantendo o Brasil praticamente fora dos ciclos científico e editorial mundiais nesta área.

Eu poderia salientar ainda várias outras situações mas creio que esta mensagem ficaria extensa demais.

Lembro também que o Design de Interiores/Ambientes não visa apenas projetos majestosos de ambientes luxuosos e caros mas também pode – e deve – ser aproveitado no social visando a melhoria da qualidade de vida dos menos favorecidos através de projetos voltados para este público. Já existem alguns exemplos deste trabalho sendo desenvolvido por algumas IES através de incubadoras de empresas ou projetos de extensão que tem conseguido resultados excelentes.

Sem a regulamentação profissional continuaremos vivendo em um mercado bastante impreciso e perigoso onde alguns profissionais, ao extrapolar os limites de sua formação e competência, acabam colocando muitas pessoas em risco além de prejudicar os profissionais que atuam corretamente e eticamente, dentro de suas delimitações.

Espero também que não sejam convidadas apenas associações profissionais para debater sobre este assunto,  mas também, e especialmente, profissionais da área, formados em Design de Interiores/Ambientes pois só assim chegaremos a uma visão real do mercado, bem além daquela pretendida pelas associações que insistem em não diferenciar os profissionais.

Assim, espero que V.Excia reflita sobre este assunto com carinho, ética e seriedade que a matéria exige pois é de grande importância para a sociedade brasileira.

Grato pela preciosa atenção, conto com a Vossa compreensão e apoio nesta matéria.

.

Paulo Oliveira

Designer de Interiores/Ambientes

Especialista em Educação superior

Especializando em Lighting Design

 

Fonte:

http://paulooliveira.wordpress.com/2011/02/26/carta-aberta-ao-senado-federal/