Parecia impossível, mas a “tentativa de identidade visual” da Azul Linhas Aéreas tem uma história pior do que se podia imaginar. O “designer-diretor-de-arte-redator-especialista-em-branding-e-tambem-em-marketing” Gianfranco Beting, nas palavras dele, puxou “um trabalho que tinha feito já há mais de três anos, quando trabalhava na agência DM9DDB”. Ou seja, pegou a “tentativa de identidade visual” feita pra uma companhia aérea que ia se chamar “Samba”, deu uma requentada e re-apresentou pra Azul! Confiram a tentativa de identidade original aqui (preste atenção no mapa colorido, ele já existia há três anos!)

Pra quem está curioso pra saber todos os bastidores dessa história, pode ler a própria versão do Beting no site dele. Clique nesse link e, quando abrir a página, escolha o item no menu à direita, chamado “Azul: bastidores do branding da empresa”.

O resultado final é o fraco projeto de identidade que irá se manifestar nos novos aviões da Azul Linhas Aéreas. Meio samba, meio azul, solução pela metade. Talvez nem metade.