3 minutos

Bom, pra quem não sabe, terceiro setor são as instituições sem fins lucrativos e não governamentais, ou seja, as instituições ‘tapa buracos’ da sociedade. O governo é o primeiro setor, que cuida dos assuntos coletivos. O segundo setor são as empresas privadas, que cuidam de interesses individuais. Com a falência de alguns setores do primeiro setor, as empresas viram uma oportunidade de melhorar sua imagem ajudando a sociedade, gerando serviços de caráter público.

Segundo o site Setor3 (http://www.setor3.com.br), nos últimos anos este setor aumentou de maneira impressionante no Brasil, hoje com mais de 250 mil ONG’s que movimentam cerca de R$ 12 bilhões/ano, provenientes de prestação de serviços, comércio de produtos e doações. Isto representa 1,2% do PIB brasileiro e demonstra enorme potencial de crescimento. Em alguns países da Europa e nos EUA, este setor movimenta até 6% do PIB.

Este setor é composto na sua maioria por voluntários, mas também contrata profissionais das mais diversas áreas. Este crescimento promove também uma procura maior em mão de obra especializada, que tenha experiência em serviço voluntário… hmm… ótimo, e nós temos essa cultura de voluntariado dentro do design? Estamos qualificados para esse mercado?

Somente há pouco tempo vi ações maiores na nossa profissão, sendo que grande parte delas fora do Brasil. Alguns sites exemplificam melhor isto: Design 21 (http://www.design21sdn.com/) e Social Design Site (http://www.socialdesignsite.com). O primeiro é em parceria com setor de cultura da UNESCO e tem como objetivo promover o ativismo social dentro do design. O Design 21 funciona como uma rede que une pessoas comprometidas em projetar com impacto positivo na sociedade e promover mudanças de fato (vejam este exemplo de projeto: http://www.design21sdn.com/feature/1656). O site Social Design, sob o lema “we cannot not change the world”, foi criado para facilitar a discussão sobre o tema e criar uma plataforma única entre os interessados. Aqui no Brasil ainda acontece de forma isolada e com pouca divulgação entre os profissionais.

Dentro do âmbito acadêmico existe uma movimentação maior, grande parte em torno do design sustentável, onde um dos pilares é o design social. Mas até mesmo literatura sobre design sustentável não possui aprofundamento sobre o design social, apesar da sua importância.

A pouco tempo decidi escrever este texto com o objetivo de promover no blog a discussão em torno do papel social do designer. Afinal, qual é o nosso papel social? Na minha opinião, papel social vai além das funções de um profissional de mercado, ou seja, a parte filosófica do design, a parte ‘bonita’. Em uma mesa de discussão da Megafônica 2008, evento estudantil que aconteceu na UFPR e reuniu interessados de diversas instituições, com o tema Design e Sociedade, ficou claro que os estudantes (até mesmo os interessados e comprometidos) não sabem ao certo qual a sua função dentro da sociedade e como podem contribuir para melhorar suas dificuldades. Assim se torna difícil a atuação dos designers como voluntários neste setor que tende a captar cada vez mais profissionais qualificados.

Deixo aqui alguns sites que possuem maiores informações:
http://www.filantropia.org/

Home


http://www.rits.org.br/
http://www.ideiasocial.org.br

Distribua