3 minutos

O papel desempenhado pelo (x)html e css para designers que fazem web parece bastante óbvio para muitos. Porém, ainda há uma grande quantidade de estudantes e envolvidos que relutam quando chega o momento de aprender estruturação.

O que é estruturação?

Trata-se de um termo comum na profissão, quer dizer fazer o código (x)html, desenvolver o css para formatação visual. Normalmente, parte-se de um layout pronto e aprovado, feito em algum programa para criação visual (o photoshop é o favorito). Assim, com os aspectos visuais definidos, a tarefa do profissional será a de transformar aqueles lindos arquivos .psd em páginas web que funcionem corretamente, de maneira satisfatória.

É realmente necessário saber (x)html e css?

Podemos citar uma analogia simples: trabalhar com web e não conhecer essas linguagens, equivale a uma viagem de, por exemplo, seis meses na Inglaterra, sem o mínimo conhecimento de inglês. Por mais que você se muna de todo o aparato-idiomático-fast-food (canetas com scanners tradutores, e-books, palms, smartphones, notebooks), chegará o momento em que sua falta de conhecimento o colocará, obviamente, em situações mais do que constrangedoras.

Portanto, trabalhar com web sem conhecer a sua língua-mãe é praticamente impossível, pois, apesar de haver diversos recursos para desenvolver (x)html e css sem digitar linhas de código, fatalmente chegará o momento em que a falta de conhecimento cobrará o seu preço.

Qual a melhor maneira de aprender?

Evidentemente, com a ajuda de um professor num bom curso, tudo fica bem mais fácil. Por incrível que pareça, existem diversas escolas (de informática ou não) que ensinam o ultrapassado html 4.0.1. O aluno aprende uma linguagem antiga e se baseia em técnicas não recomendadas no momento atual, como o uso de frames (divisão da página em partes distintas, trazendo um enorme obstáculo a acessibilidade), tabelas para lay-out (inserção do conteúdo da página em células de tabelas, gerando um código não semântico, não acessível e muito “sujo”, limitando a visualização das páginas em dispositivos de mídia que não os monitores dos PC´s), formatação visual dos elementos com comandos não recomendados de html e utilização de tags(comandos) proprietários sem padronização.

A melhor maneira de aprender é, portanto, aprender o que é certo, analisando o que é errado como se analisa um animal estranho num zoológico. Na web, terra das mudanças constantes e rápidas, ir contra a corrente pode trazer, como consequência final, a desvantagem competitiva.

A utilização de poderosos editores WYSIWYG como o Dreamweaver é praticamente indispensável no ambiente produtivo, porém seu uso deve vir após o conhecimento básico da estrutura da codificação (x)html e css. Assim, com o conhecimento solidificado e correto, torna-se mais fácil a trajetória profissional.

A dica é: aprender a base do (x)html/css, aprender Dreamweaver (ou outro robusto editor visual, por motivos de produtividade – sugiro o excelente Blue Fish) e aprofundar os conhecimentos cada vez mais. Aguarde a próxima parte deste artigo.

Um abraço!

Distribua